Olá, como vai?

Eu sou Ana Mielke, jornalista, negra, feminista, ativista dos direitos humanos e da democratização da comunicação.

Iniciei meu ativismo político no final dos anos 1990, ainda no movimento secundarista. Durante os anos de graduação na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), entre os anos de 2000 a 2004, fui diretora de Centro Acadêmico, representante discente e coordenadora da Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação (Enecos).

Sempre busquei articular a luta pela democratização da comunicação com as pautas da luta antimachista e antirracista, sendo fundadora, em conjunto com outros companheiros e companheiras, do Grupo de Estudos e Trabalho de Combate das Opressões da Enecos, em janeiro de 2003, ano em que também atuei ativamente pela adoção de cotas raciais nas universidades públicas federais.

Sou filiada ao PSOL desde 2005, tendo uma militância muito voltada à defesa dos direitos humanos em geral e ao direito humano à comunicação em específico.

Em São Paulo desde 2006, trabalhei em movimentos sociais e organizações da sociedade civil, entre os quais MST, CEERT, Ação Educativa, entre outras.

Desde 2010, integro o Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social, coletivo que luta pela garantia do direito à comunicação e pela liberdade de expressão.

Sou militante feminista, atuando no setorial de mulheres do PSOL e na organização do 8 de março em São Paulo, tendo como minha principal referência o feminismo negro.

Já atuei na Frente Nacional contra a Criminalização de Mulheres e pela Legalização do Aborto, na Coalizão Anti-austeridade e pela Revogação da EC 95 e na Frente Povo Sem Medo. Atualmente participo do Círculo Palmarino, organização do movimento negro que compõe a Coalizão Negra por Direitos e a Convergência Negra e faço parte também da Marcha de Mulheres Negras de São Paulo.

Sou secretária-geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), na gestão que se encerra em 2020.

Em 2018, fui candidata a deputada estadual em São Paulo pelo PSOL, alcançando 26.582 votos.

Um abraço,

Ana Mielke.